Procedimentos Cirúrgicos Restritivos

Bypass Gástrico

EmagrecendoO bypass gástrico é a técnica mais utilizada mundialmente. Foi criada nos Estados Unidos com base na “Exclusão Duodenal”. O método dessa cirurgia consiste em duas formas: a nutrição lleal e a Redução Gástrica. Na nutrição lleal, o objetivo é fazer a comida chegar ao intestino delgado terminal, onde existe a produção de hormônios que provocam a saciedade e a pessoa perde a vontade de comer mais. Mulher emagrecendo.

Esse tipo de cirurgia cria um novo caminho no tubo digestivo e a comida passa por um pequeno estômago, que é costurado ao jejuno médio. Isso impede que ocorra uma grande absorção dos alimentos, é recorrente nesse trecho. Já na redução gástrica, é feito com o est?mago funcional (pouch) com o procedimento de retardar a passagem do alimento que está no pouch para o intestino.

Esse procedimento melhora a função do pâncreas e auxilia no emagrecimento e os pacientes perdem em média 40 a 45% de seu peso corporal inicial. Há indícios que apontam também uma melhoria nos casos de Diabetes 2. É um método que garante a qualidade de vida dos pacientes, porém há casos de problemas relacionados à anemia e a osteoporose. É um tipo cirúrgico reversível.

Banda Gástrica Ajustável

É um tipo de cirurgia que começou a ser desenvolvido em 1978. No estômago, é instalada uma cinta ao redor do estômago e ela pode ser ajustada. O trabalho dessa cinta é diminuir a passagem do alimento pelo estômago, ou seja, transforma-o em uma ampulheta. As refeições terão quer ser feitas em menor quantidade, pois o paciente tem a sensação de estar saciado mais cedo porque ocorre o estufamento de uma parte da ampulheta. É um procedimento reversível, que não necessita retirar nenhuma parte do estômago.

A perda de peso fica em torno de 50% e 70% do peso inicial e se trata de uma cirurgia pouco invasiva, com traumas reduzidos. A banda gástrica pode ser tanto insuflada como desinsuflada, sem que tenha que ocorrer novas operações. Isso é feito para que ocorra a adequação com o que é consumido pelo paciente e a tolerância de cada um. Podem surgir vômitos frequentes, refluxo de ácido do estômago para o esôfago e complicações tardias após a cirurgia. É uma técnica que deve ser aplicada em poucos casos.

Procedimentos Cirúrgicos Dissabsortivos

Nesses casos, o objetivo é reduzir o que é consumido pelo organismo, diminuindo a absorção e são feitos desvios nos sucos biliares e pancreáticos. Nas cirurgias dissabsortivas, o paciente consegue comer mais e pode causar uma perda maior de peso. Porém, pode ocasionar inchaços no abdômen e evacuação com odor fétido, o paciente terá que utilizar um complemento vitamínico por toda sua vida e pode ocorrer anemia crônica.

Desvio Bilio Pancreático (Cirurgia de Scopinaro)

Esse tipo cirúrgico foi desenvolvido por Nicola Scopinaro, na década de 70. Nessa cirurgia, é retirado ¾ do estômago para causar a diminuição da ingestão do alimento. O intestino delgado é dividido e uma das partes é ligada ao estômago, no que é chamado de “tubo alimentar”. Nessa situação, o paciente pode consumir praticamente o mesmo que uma pessoa normal; porém, não absorve tudo que come devido ao procedimento que é feito. Podem ocorrer complicações e o controle das deficiências nutritivas deve ser muito maior.

Desvio Bilio Pancreático com “Derivação Duodenal”

Procedimento Cirúrgico DissabsortivosNesse procedimento, ocorre a retirada da parte externa do estômago. O duodeno é dividido no intuito de que a drenagem do pâncreas e da bile seja desviada, ou seja, os alimentos passam por um caminho enquanto os sucos digestivos passam por outro. É um tipo cirúrgico que pode ser revertido (com exceção da parte que foi retirada), a perda de peso é consistente, nada é retirado do intestino e o volume de alimento ingerido no pós-peratório é quase normal. É um tipo que causa menos disabsorção que a cirurgia de Scopinaro, porque tem um canal comum maior e o paciente reduz as alterações em seu metabolismo e produz menos gases fétidos.